13/11/2013

Conhecendo as favelas de Porto Alegre

                Um estudo inédito feito pelo IBGE durante o Censo de 2010 revelou novas informações sobre as favelas de Porto Alegre e seus moradores. No total foram identificadas 192.885 moradores (13,68% da população da cidade) em 108 favelas. Esta população é majoritariamente branca, com 59,90%; seguido pelos negros, representando 39,22% dos seus moradores. Fora das favelas esses percentuais são iguais a 82,25% e 17,21%, respectivamente.

62,07% dos domicílios das favelas possuem renda per capita inferior a 1 salário mínimo.

                A taxa de desemprego nas favelas de Porto Alegre é de 7,38%, enquanto no restante da cidade é de 5,30%. Quanto as horas trabalhadas no emprego principal, 70,31% dos trabalhadores das favelas trabalham até 44h semanais, contra 76,35% do restante da cidade. Referente a categoria do emprego principal, o predominante em ambas as regiões é o emprego formal com carteira assinada (58,83% nas favelas e 51,91% fora delas). O trabalho informal é maior nas favelas, representado 18,03% dos empregos, enquanto nas demais regiões representa 13,12%.

                Percentuais dos tipos de vínculos empregatícios,

                Entretanto, a diferença mais gritante está na renda gerada. Enquanto o rendimento mediano dos trabalhadores que não moram na favela é de R$ 1.200 (isso quer dizer que metade dos trabalhadores tem rendimento igual ou inferior a R$ 1.200), esse valor cai para R$ 600 quando se trata de trabalhadores das favelas. Já a diferença do rendimento mediano entre os sexos é menor dentro das favelas, com os homens ganhando 34,45% a mais que as mulheres. Fora das favelas essa diferença sobe para 47,05%.  

                Quanto a renda per capita do domicílio, temos mais uma vez uma grande diferença. Enquanto fora das favelas metade dos domicílios tem renda per capita superior a 2 salários mínimos, 62,07% dos domicílios das favelas possuem renda per capita inferior a 1 salário mínimo.

                Percentuais de renda per capita dos domicílios.

Apenas 1,26% possuem ensino superior

                Parte dessa desigualdade financeira pode ser explicada pela diferença dos níveis de instrução dos moradores das regiões. Enquanto nas favelas 61% das pessoas com mais de 10 anos não possuem o ensino fundamental completo, esse valor cai para 27,39% fora delas. Quando se trata do ensino superior, apenas 1,26% dos moradores da favela possuem ensino superior completo, enquanto fora delas este valor sobre para 22,86%.

                Percentuais da escolarização dos moradores.

10% das moradias de Porto Alegre estão em favelas

                Junto com informações sobre os moradores das favelas, também foram publicadas informações a sobre suas moradias. Dos 56.061 domicílios identificados nas favelas (10,79% dos domicílios da cidade), a maioria (49,70%) possui paredes externas de alvenaria com revestimento, em seguida – com 25,20% - vem as construções de alvenaria sem revestimento. Por último, temos as residências com paredes externas de taipa não revestida (0,30%).

                Percentuais dos principais tipos de revestimento da parede externa do domicílios.

Quanto aos bens duráveis, a televisão e a geladeira são os principais, aparecendo em 96,18% e 94,96% dos domicílios, respectivamente. Já o computador aparece 31,85% dos domicílios, mas apenas 19,08% possui computador com acesso à internet. Como meio de locomoção, 24,27% dos domicílios possuíam carro para uso particular e 10,23% possuíam motocicleta.

Percentuais de domicílios com respectivos bens duráveis.



  

Contato

Rua Uruguai, 155 / 11º andar - Sala 20
Porto Alegre-RS/Brasil - CEP 90010-140
Fone: 55 51 3289-6664 e 55 51 3289-6684
e-mail: observapoa@observapoa.com.br

Newsletter




Desenvolvimento procempa
Prefeitura de Porto Alegre
Prêmio Cidades Sustentáveis